Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

O melhor investimento do Brasil

Você quer fazer seu dinheiro render? Quer alcançar a independência financeira? Quer saber onde você deve investir hoje? Nesse artigo, eu pretendo lhe mostrar a realidade dos investimentos no Brasil atualmente.

 Imagine que você precisa subir uma escada. Você tem duas opções: subir pela escada rolante ou subir pela escada convencional. Qual você escolhe?

 Normalmente as pessoas costumam escolher a escada rolante, já que ela vai lhe levar ao mesmo lugar com menos esforço. Esse é o pensamento de quem começa a guardar dinheiro no Brasil: colocar na poupança ou deixar a escolha com o gerente do banco. É claro que assim é mais fácil. Mas vou lhe mostrar que hoje em dia as coisas mudaram.

 No início do mês, em um movimento marcado pela pandemia do Coronavírus, o Banco Central reduziu (mais uma vez) a taxa básica de juros do país, que hoje se encontra no patamar de 3% ao ano. Essa taxa, também conhecida como SELIC, é a que regula o consumo no país.

 Ela funciona assim: Quando você faz um financiamento, você paga juros. Os juros que você paga são definidos com base na taxa SELIC. Então se a taxa cai, você paga menos juros. Isso estimula as pessoas a comprarem cada vez mais, já que fica mais barato comprar um carro ou um apartamento, por exemplo.

 Mas isso também influencia seus investimentos. A grande maioria dos investimentos de renda fixa, como a poupança, são vinculados à taxa SELIC. A poupança rende 70% da taxa SELIC. O problema é que, por muitas vezes, a poupança perde para a inflação. Ou seja, você investe hoje e quando você resgata seu dinheiro vale menos!

 Para resolver isso, lembre do exemplo da escada: Imagine que a escada rolante é a poupança. Por muitos anos a taxa de juros no Brasil foi altíssima, então a poupança lhe fazia subir rapidamente e sem nenhum esforço. Hoje em dia, a poupança passou a ser uma escada rolante que desce ao invés de subir. Quem está nela, está perdendo dinheiro. Então só tem uma forma de resolver isso: mudando de escada!

 Existem diversos investimentos de renda fixa que também não exigem conhecimentos amplos, como por exemplo o Tesouro Direto e CDBs (Certificados de Depósito Bancários). Esses investimentos tambem podem ser vistos como escadas rolantes. Mas é claro que a redução na taxa de juros faz com que essas escadas rolantes subam bem lentamente. 

 A verdade é que hoje as escadas rolantes deixaram de ser bons negócios, porque elas estão tão lentas que uma pessoa que suba pela escada convencional, sem correr, consegue subir de forma mais rápida.

 A escada convencional é a renda variável. Ela não é complexa, mas exige certo conhecimento extra, um esforço um pouco maior que vale a pena. Quer subir de forma mais eficiente? Hoje você precisa usar a escada convencional. E é isso que as pessoas estão fazendo.

 A bolsa de valores ganhou mais de 400 mil investidores nos últimos dois meses. Já são mais de 2,3 milhões de contas ativas. E mais da metade com menos de 10 mil reais investidos, ou seja, você não precisa começar com muito dinheiro. Comece aos poucos para entender como funciona!

Meu nome é Fernando Henrique Magalhães, eu sou Analista de Valores Mobiliários - CNPI, Especialista em Investimentos Anbima - CEA, atuo como consultor financeiro e educador financeiro nas mídias sociais. Se você quiser, pode me encontrar no Instagram @Fernandohmag e no YouTube no canal "Já Investiu Hoje?".