Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

A Construção da Visão Periférica, a Excelência da Gestão do Conhecimento

A capacidade que temos de enxergar à frente e ao redor de nosso campo visual recebe o nome de visão periférica. Sem ela restringiríamos nossa visão simplesmente para onde os nossos olhos estivessem apontados. Graças a ela conseguimos enxergar coisas e identificar situações que aparecem nos chamados ‘rabos de olho’. Ainda que ela não nos permita uma maior nitidez de imagem, sua relevância é tamanha, pois nos permite prever situações ainda que estejamos focados em situação adversa. Não é díficil imaginar tão grande seriam nossas dificuldades caso não a tivessemos.

Nas regiões nordestinas onde os jegues, também conhecidos como jumentos, costumam ser utilizados como importantes meios de transporte de pessoas e cargas, para garantir maior atenção deste animal durante sua trajetória, seus donos costumam colocar em suas cabeças, próximo aos olhos, um par de viseira ou antolhos. Com este acessório os referidos animais não se distraem, tampouco se assustam com coisa alguma que eventualmente venha a aparecer no raio alcançado por sua visão periférica. 

Com exceção do que acontece com estes simpáticos equinos, o melhor uso de nossa visão periférica costuma ser identificado como uma importante habilidade sobretudo ao identificarmos sua maior valia durante qualquer processo voltado a identificar novas oportunidades de atuação. Aqueles que costumam frequentar restaurantes e bares, sabem bem do que estou falando. A excelência de um bom garçon, por exemplo, é identificada quando notamos eficiência no uso de sua visão periférica. Sem ela, nossos movimentosde braço com a intenção de chama-lo se tornam plenamente despercebidos e, consequentemente, são ignorados. Por outro lado, às vezes, um simples movimentar de cabeça do cliente ao ser notado, soa a este bom profissional como uma antecipação de demanda. É a excelência vindo à tona.

Mas a visão periférica é muito mais que isso.

Durante o desenvolvimento de qualquer atividade profissional, as pessoas que conseguem ter a habilidade de antecipar demandas e/ou desejos e expectativas costumam ser vistas como perpicazes e logo são identificadas por serem mais ativas, vivas e hábeis. Na verdade, elas são dotadas por aguçada visão periférica. Este recurso costuma ser conquistado muito por conta de um importante e engenhoso processo que contempla a rápida identificação de agentes e componentes presentes em situações vividas anteriormente, porque não chamar de experiência, e imediata interpretação de situações potenciais que poderão delas emergir. Uma vez que esta visão é utilizada como gatilho para uma ação que costuma parecer, aos olhos dos ignorantes, algo apenas premonitório, passa a se tornar um importante diferencial aos profissionais que delas se utilizam. Distante de haver qualquer contraindicação, seu uso a exaustão, só traz benefícios.

O processo de aprendizado, um importante alicerce as lições aprendidas também costuma contribuir, e muito, com toda esta entrega que uma boa visão periférica pode nos proporcionar. Sem ele, uma pessoa pode até ter a sua frente um interessante espectro de visão, mas, ainda assim, pouco conseguirá identificar, tampouco desdobrar o que viu em ações efetivas. É o chamado “o pior cego é aquele que não quer ver”. Na verdade, ele viu, só que não deve discernimento para definir como agir diante aquilo.

Com o tempo, os profissionais podem aguçar ainda mais esta habilidade ao ampliar os limites desta visão. Isto pode acontecer a partir da construção de uma rede de compartilhamento, criada com a participação de colegas com as quais podemos estabelecer decisivos vínculos colaborativos. É a visão periférica sem limites.

Isto é Gestão do Conhecimento.