Centro de Inteligência

Área utilizada para o compartilhamento de apresentações, artigos, textos e sugestões de livros relacionadas com boas práticas relacionadas com Gestão de Projetos, Processo de Inovação, Registro e Compartilhamento de Conhecimentos, Excelência em Gestão de Pessoas, Capital Intelectual e Ações que busquem o Desenvolvimento Sustentável a partir do desenvolvimento de atividades éticas, de menor custo, maior retorno e melhor Qualidade.

O Poder da Concorrência

 

A emergente economia que aflora nos mais profundos rincões do Brasil atual faz com que muitos empreendedores procurem abrir seu comércio, sua indústria, com muita voluntariedade mas com pouco conhecimento do que seja seu proprio negócio e principalmente das relações com seus concorrentes.

Michael Porter, academico americano que atua na área de Estratégia Empresarial, desenvolveu um modelo de análise da concorrencia, que denominou as Cinco Forças da Concorrencia. Este modelo propõe que a atratividade potencial de um ramo de negócio pode ser analisada através do exame das Cincos Forças antes de abrir seu empreendimento. Esta análise correlaciona a intensidade de competição com o poder dos produtos substitutos, com o poder dos fornecedores, com o poder dos compradores e o poder dos novos entrantes.

A primeira força obviamente que está correlacionada com intensidade de competição entre as empresas. É impactadada por fatores como: o número, a homogeneidade dos participantes, a distribuição dos playeres no mercado, a especificidade dos investimentos e a estabilidade da demanda e dos suprimentos dos insumos.

A segunda força está relacionada com a participação de produtos substitutos ou de produtos que, de alguma maneira, podem substituir o seu produto. Essa força, é preponderante numa área com poucos concorrentes diretos ou onde há dificuldade de crescimento dos fornecedores de insumos. Obviamente, o participante fica limitado, sem muitas margens de manobras. Numa industria dinâmica com muitos playeres e com a demanda e fornecedores estruturados e bem distribuídos, o poder dos produtos substitutos não é marcante.

As duas outras forças que impactam os resultados estão relacionadas com o poder dos compradores e o poder dos fornecedores. Em ambos os casos, a empresa tem que estar atenta à quantidade de fornecedores ou de compradores e às suas distribuições. Quanto mais pulverizados estiverem os fornecedores ou compradores, estes terão menor poder de atuação. O autor propõe a utilização de uma matriz de fornecedores, onde se pode avaliar a importância do fornecedor na cadeia de suprimentos do comprador.

A quinta força está correlacionada com o poder dos novos entrantes no mercado. Além desta força, são ressaltados dois componentes que de uma certa forma afetam os mercados. O primeiro é referente à participação do governo com seu poder regulatório dos mercados. A ação governamental pode afetar níveis de rivalidade, o poder dos compradores e dos fornecedores, assim como, restringir ou incentivar a participação de novas empresas na industria. O segundo componente refere-se ao histórico do setor de comercio ou industria e suas instituições. Empresas sólidas que estão operando por um longo período de tempo demonstram um nível de resultados melhor que industrias incipientes o que provoca um elevado índice de falências. Os levantamentos existentes registram o encerramento de mais de 60% de empresas novas que fecham suas portas em um prazo máximo de dois anos.
 

Autoria: Deoclides Queiroz